Tradução em Videojogos

Por: André Pereira

Quando era puto queria ser astronauta ou engenheiro informático, mas o olho torto e a Matemática lixaram-me. Os testes psicotécnicos e uma tia professora aconselharam-me as Letras, mas acabei em Ciências – eu nunca disse que era inteligente! Continue a ler “Tradução em Videojogos”

Vaccine | Glitch Review

A era dourada dos survival horrors acabou com a chegada da sexta geração. Para trás ficaram clássicos como Resident Evil 2, Silent Hill, Alone in the Dark e outros menos conhecidos como Dino Crisis, Deep Fear e até Countdown Vampires. Para muitos, a PlayStation foi a consola mais importante para o género e a incubadora para algumas das séries mais emblemáticas. E é por essa razão que agora, que a nostalgia parece ter vindo para ficar, nós voltamos atrás no tempo. Continue a ler “Vaccine | Glitch Review”

Resident Evil – O Bom, O Mau e o Nicholas Cage

Não consigo acreditar, mas o meu calendário – aquele que é obviamente real e não fictício e que eu não acabei de inventar para fazer esta introdução – está a insistir que a série Resident Evil celebra esta semana o seu 20º aniversário. 20 anos de mortos-vivos, histórias mal contadas, mau voice-acting e alguns dos melhores jogos das duas últimas décadas. Meu deus, estamos todos velhos.

Resident Evil foi o primeiro jogo que experimentei na PlayStation original e que me transportou para o fantástico e novo mundo em três dimensões. A criação de Shinji Mikami continua a ser um dos melhores jogos que já joguei (mesmo com a má história e mau voice-acting), oferecendo-me uma das aventuras mais tensas e aterrorizantes que a minha mente, ali com apenas 12 anos, já tinha experienciado. Continue a ler “Resident Evil – O Bom, O Mau e o Nicholas Cage”