Gamer com filho(s) | 4. Jogar em família

Abordadas as mudanças na relação individual do jogador com os videojogos, chega a altura de falar sobre o mais importante na vida de um gamer com filho(s): jogar em família. Continue a ler Gamer com filho(s) | 4. Jogar em família

PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 3. Violência e influência

Este é um dos temas que mais assusta os pais e é compreensível. O Massacre de Columbine em 1999 apanhou o mundo desprevenido e, perante tamanha violência, que terminou com o suicídio de Eric Harris e Dylan Klebold, procuraram-se respostas. Contudo, 17 anos depois, não foi o sentimento de injustiça, humilhação e segregação social que permaneceu no discurso mediático, mas a influência que videojogos como Doom, Wolfenstein 3D e Duke Nukem tiveram nos adolescentes. Continue a ler “PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 3. Violência e influência”

PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 2. Procurar informação

É essencial que os pais, com filhos fãs de videojogos, se eduquem ativamente sobre o assunto. Dissemo-lo no artigo anterior e se o repetimos é porque é de facto algo a reter. O importante, neste campo, é evitar o sentimento de incapacidade ou total incompreensão do meio. Confesso que é sempre triste ver pais confusos na seção de jogos de uma qualquer loja, na qual, infelizmente, são tantos os colaboradores que acabam por não saber ajudar com qualidade.

Continue a ler “PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 2. Procurar informação”

PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 1. Conhecimento de causa

A culpa é dos jogos! Talvez. Não vou dizer que os jogos não têm impacto nos jogadores, em particular nos mais novos, mas é fácil a discussão acabar numa polarização de opiniões – os pais acham que os jogos são violentos e descabidos (especialmente se seguirem a sabedoria do Dr. Quintino Aires) e os filhos acham que os pais são retrógrados e não percebem nada de nada. Continue a ler “PAIS, FILHOS E VIDEOJOGOS | 1. Conhecimento de causa”