A Horde too Many | Glitch Plays

A Horde too Many é um novo jogo produzido em Portugal que esteve presente durante o Lisboa Games Week e conta já com uma campanha no Steam Greenlight. Depois de conhecermos a equipa, decidimos experimentar a demonstração e dar-vos a conhecer um pouco do que se produz no nosso pais. Download da Demo Página do Steam Greenlight   Continue a ler A Horde too Many | Glitch Plays

Lisboa Games Week: Diário de um visitante

Apesar de ter saltado a edição do ano passado, reencontrei a Lisboa Games Week quase como a tinha deixado. O espaço cheio, e ainda bem!, várias editoras e videojogos em exposição e uma aposta forte na comunidade Youtube, que estava novamente em grande destaque. O pavilhão 3 estava recheado de uma ponta a outra, conteúdos para tudo e todos num enorme pot-pourri de videojogos. Novidades, antestreias e jogos ainda por lançar, para não falar do PlayStation VR e restantes companheiros da realidade virtual, deliciaram o público quase eufórico que procurava a próxima grande experiência. Continue a ler “Lisboa Games Week: Diário de um visitante”

Antevisão | Horizon: Zero Dawn

Fecha-se a cortina, apagam-se as luzes e, no ecrã, começa uma poderosa intro que conta uma história de quem procura, sem medos, descobrir o seu passado. Momentos depois, estamos no centro da ação. Aloy é a protagonista. Horizon: Zero Dawn o jogo.

O antecipado título da Guerrilla Games esteve em destaque na Lisboa Games Week, numa iniciativa que permitiu assistir a uma apresentação com jogabilidade controlada de Horizon e, seguidamente, um hands-on com o aguardado título. Na sessão na qual o Glitch esteve presente, o jogo correu numa PlayStation 4 tradicional mas com o HDR ligado. A demonstração, realizada pela própria PlayStation e que contou com narração do que se ia passando no ecrã, focou vários pontos fulcrais do jogo, revelando apenas uma parcela do grande potencial que acredito que Horizon tem.

Continue a ler “Antevisão | Horizon: Zero Dawn”

Antevisão | The Last Guardian

Lembram-se quando era cómico dizer que The Last Guardian nunca ia ser lançado e que se tratava apenas de um mecanismo de tortura ou trunfo na mão que a Sony utilizava para manter os fãs num permanente cheque? Bolas, também eu, por isso imaginem a minha cara quando acabei de jogar mais de uma hora da última obra de Fumito Ueda e da genDESIGN (antiga Team ICO) durante um evento especial na Lisboa Games Week. Continue a ler “Antevisão | The Last Guardian”

Em defesa de Call of Duty: Infinite Warfare

Odiar a série Call of Duty não é muito diferente que dizer mal do Trump. A Internet grita muito, mas na hora da verdade é aquilo que escolhe. Ora eu fiz parte desse grupo, mas dos que estão fartos do CoD, atenção.

Não sou grande fã de jogos multi-jogador competitivos, portanto esse nunca é o meu foco principal quando procuro um jogo e desde o Modern Warfare 2 que não sentia tanta pica a jogar um CoD.

Em defesa do diabo, eu curti imenso o Infinte Warfare. Continue a ler “Em defesa de Call of Duty: Infinite Warfare”

Glitch Review | Slain: Back from Hell

Gosto de pensar que sou um jogador versátil, mas é nestes momentos que me vejo obrigar a admitir uma coisa: não sou fã de jogos difíceis. E muito menos daqueles que querem ser difíceis só porque sim. Entendo porque é que os bons (série Dark Souls) existem, mas não tenho paciência e não me divirto com eles. Por isso podem guardar as vossas piadas de stand up para outra altura.
Para o prato do dia, hoje vejo-me a analisar Slain: Back from Hell. Continue a ler “Glitch Review | Slain: Back from Hell”