Andromeda está morto. Longa vida ao Anthem!

O final da semana passada marcou também o fim do suporte a Mass Effect: Andromeda. Uma decisão comunicada oficialmente pela Bioware que significa a inexistência de DLC para o jogo e patches adicionais. Os planos, diz a companhia, pelo menos até às comemorações do N7 Day, focam-se somente no modo multijogador.

Continuar a ler “Andromeda está morto. Longa vida ao Anthem!”

Everything: O problema de sermos Tudo

Quando analisamos um jogo, existem certos parâmetros que devemos ter em consideração. Gráficos, história, banda sonora e jogabilidade são todos elementos de um todo, peças que contribuem para o funcionamento geral de um determinado jogo, seja ele qual for. Mas quando surgem títulos como Everything, desenvolvido por David OReilly, o panorama é quase obrigado a mudar e passa a existir uma enorme necessidade de explicar ao leitor que os videojogos também são arte, objetos de expressão pessoal e artística, seja individual ou coletiva. E aqui a palavra-chave é “também”, pois um jogo nunca deixa de ser…um jogo. Continuar a ler “Everything: O problema de sermos Tudo”

Em defesa de Call of Duty: Infinite Warfare

Odiar a série Call of Duty não é muito diferente que dizer mal do Trump. A Internet grita muito, mas na hora da verdade é aquilo que escolhe. Ora eu fiz parte desse grupo, mas dos que estão fartos do CoD, atenção.

Não sou grande fã de jogos multi-jogador competitivos, portanto esse nunca é o meu foco principal quando procuro um jogo e desde o Modern Warfare 2 que não sentia tanta pica a jogar um CoD.

Em defesa do diabo, eu curti imenso o Infinte Warfare. Continuar a ler “Em defesa de Call of Duty: Infinite Warfare”

The Last of Us | Imersão, IA amigável e eco-zombies

Por: El_Grande_Pato

The Last of Us é, sem dúvida, um dos jogos mais bem recebidos dos últimos tempos, com ambos os lançamentos na PS3 e PS4 a merecerem os aplausos da crítica e dos jogadores. No entanto, nem tudo são rosas, uma vez que existem diversas falhas que, depois de varrida a ”paixão da lua-de-mel”, se tornam evidentes. Uma das mais flagrantes está na linearidade e na pouca liberdade que dá ao jogador. Continuar a ler “The Last of Us | Imersão, IA amigável e eco-zombies”