PÔR OS PÍXEIS NOS I'S

5 Opiniões Que Vos Vão Enervar

Peguem nas tochas e nas enxadas, está na hora de se revoltarem com algumas das minhas opiniões sobre videojogos.

Ao contrário do que nos prega a internet, existem mais opiniões para além das vossas. É incrível, eu sei, mas a verdade é que não é necessário estarmos todos no mesmo barco para existir um entendimento geral. O mundo não acaba se me disserem que Resident Evil 2 é um mau jogo. As opiniões são assim.

Na imagem: quatro pessoas que não sabem dar um aperto de mãos.

Para colocar este sentimento à prova, decidi abrir as portas à crítica e revelar cinco opiniões que podem considerar como controversas. É um exercício terapêutico, como podem imaginar, mas não para mim – este é para vocês. Se conseguirem chegar ao final do texto sem me rogar pragas, então seremos pessoas melhores.

Hollow Knight não é assim tão bom

Eu tentei, mas não consigo. Adoro o design de alguns níveis, a direção de arte e até a jogabilidade, mas sou incapaz de jogar Hollow Knight por mais de 20 minutos. O jogo cansa-me. Sim, é difícil, muitas vezes até implacável, obrigando-nos a repetir trechos enormes do mapa até encontrarmos um novo ponto de gravação, mas não há um equilíbrio entre esta aposta na dificuldade e numa estrutura metroidvania. Hollow Knight não é divertido, não retiro prazer na navegação dos níveis.

Custa-me criticar um jogo tão apelativo, mas não consigo pensar em voltar.

Para mim, um bom metroidvania tem de equilibrar dois elementos: backtracking e movimento. Em Hollow Knight, não sinto nada. Eu sei que é um bom jogo, mas admito agora que não é para mim. Não tenciono terminá-lo, estou saturado. Durante muito tempo, mentalizei-me que tinha de gostar de Hollow Knight, mas agora acabou-se. Não consigo.

Red Dead Redemption 2 é uma seca

Baixem as armas, vocês sabem que eu tenho razão. Não estou a falar da estória ou das personagens, que adoro, mas sim da jogabilidade. Red Dead Redemption 2 é uma das maiores secas que joguei nos últimos anos e acredito sinceramente que funciona melhor como um filme do que como um jogo. De certeza que têm estórias fantásticas sobre o mundo aberto, uma caça ou momento inesperado, mas acredito piamente que se recordam muito mais das personagens e da narrativa.

A jogabilidade é pesada, lenta, demasiado preocupada em ser realista que a Rockstar se esqueceu do elemento a mais importante num título deste género – a diversão. Isto é a minha experiência, a minha opinião e reação ao jogo, mas existem elementos que acredito em que estamos todos de acordo, como a lentidão da personagem, da mira e de ações simples como retirar uma arma ou esfolar um animal. O realismo é uma espada de dois gumes.

O resumo de Red Dead Redemption 2.

Tal como Hollow Knight, Red Dead Redemption 2 parece ser um jogo que nunca vou terminar. É horrível escrever esta frase, mas tenho de a libertar do peito. Quero mesmo muito ver a estória e conhecer melhor as personagens, mas o faroeste quer-me o mais longe possível. Restam-me duas soluções: ver a estória no YouTube ou rever Once Upon a Time in the West, de Sergio Leone. Adivinhem qual vai ser a minha escolha.

Shin Megami Tensei é melhor que Persona

Persona não exstiria sem Shin Megami Tensei, mas há muito tempo que tem uma identidade e popularidade que suplantam a série original. Neste momento, Persona 5 é muito mais importante do que qualquer título principal de Shin Megami Tensei e restantes spin-offs. Eu digo basta!

É verdade que Persona tem uma maior profundidade a nível de conteúdos, apresentando um mundo mais explorável com um sistema social que é delicioso. No entanto, a série nunca se equipará a Shin Megami Tensei no que toca à sua estória e temas. Basta olharmos para SMT III: Lucifer’s Call (ou Nocturne) e SMT IV para compreendermos as diferenças de tom. A luta pelo destino e contra um Deus impiedoso, as escolhas duras e nunca acertadas onde é impossível termos um desfecho totalmente satisfatório, e a forma como os dois jogos lidam com a perda e o sacrifício são apenas alguns dos motivos que me levam a adorar a série principal.

E não nos esqueçamos da arte de Kazuma Kaneko.

Mas não só: o sistema de combate é outra diferença. Não me interessa que Persona 5 seja mais acessível e rápido. O nível de tática e dificuldade está perfeito em SMT, utilizando as temáticas da série para elevar as mecânicas. Sim, estamos indefesos, e sim, a vida é injusta. Isto é uma questão de preferência, e de certeza que não estou sozinho, mas tenho pena de ver SMT V a ser relegado para segundo plano para dar lugar a spin-offs de um spin-off. A vida é mesmo estranha.

Nier Automata não é especial

Não existem motivos de força maior, filosóficos ou de design que me fazem dizer que Nier Automata é uma deceção. Não consigo dizer-vos que é um mau jogo com uma estória péssima e uma jogabilidade insatisfatória. É impossível. O que vos consigo dizer é que não entrei, de todo, na sua narrativa e não me apaixonei pelo mundo e as suas personagens. Não senti nada. Eu sei, sou uma pessoa cruel.

Aliás, seria uma pessoa cruel se não existisse um jogo que me proporcionou a mesma experiência que tiveram com Automata – e esse jogo chama-se Nier. Ao contrário de 2B e companhia, senti uma ligação enorme ao protagonista, a Kainé e a Emile ao longo da demanda. Terminei os vários finais, chorei com quase todos e vi estas personagens crescerem ao longo das maiores adversidades. Esta foi a minha viagem emocional. Em Automata, parecia estar a ver o mesmo cenário, mas mais confuso e sem a mesma alma.

Vocês é que estão a chorar!

Mais uma vez, culpo-me por isso. A minha experiência não foi a melhor. Encontrei um momento que me deixou irritado ao ponto de largar o jogo durante meses. Nier, no entanto, nunca me abandonou. A ideia de vermos o lado dos inimigos e os seus problemas, o twist final e até a sequência onde temos de apagar a nossa gravação e Nier das nossas memórias: o original fez tudo melhor. Menos a jogabilidade, bolas.

Final Fantasy XIII não é assim tão mau (e é melhor que XV)

E não é. Existem dois grandes problemas, a linearidade e a narrativa mal estrutura, mas enquanto jogo, não senti aversão a Final Fantasy XIII. Sinto que é um jogo que as pessoas querem odiar, um pouco à semelhança de Final Fantasy X, onde no final do dia é tudo uma questão de opinião e gosto pessoal

Sabem que mais? Eu adorei o sistema de combate. É simples, mas muito rápido e eliminou algum do aborrecimento inerente aos combates por turnos. Adoro a fluidez, a troca de classes e a forma como podemos relegar a escolha de habilidades para ficarmos atentos à barra de stagger e energia dos inimigos e personagens. A banda sonora também é fantástica, não digam que não, e o mundo é um deleite visual que infelizmente não conseguimos explorar livremente.

Adoro a forma como construiram Coccon, muito realista.

A linearidade faz parte do conceito da estória e faz sentido dentro do tom do jogo – quer queiramos ou não. Foi desenhado para ser assim e penso que funciona. A narrativa também tem pontos interessantes, ainda que mal explicados ou implementados, mas há uma mensagem forte por detrás dos acontecimentos em Coccoon e Pulse. E para mim, à medida que penso nos dois jogos, mais depressa jogava Final Fantasy XIII do que Final Fantasy XV.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: