Saltar para o conteúdo

Inspector Zé e o Robot Palhaço em: O Assassino do Intercidades | GLITCH REVIEW

Aviso à navegação: ninguém da equipa do Glitch jogou o título de estreia da nerd monkeys, Inspector Zé e o Robot Palhaço em: O Crime no Hotel Lisboa. Começo com este aviso por ter sentido que O Assassino do Intercidades faz valer a familiaridade com algumas caras conhecidas e talvez jogue com essa mesma familiaridade para apoiar algumas piadas. A única certeza que tenho é que ter jogado O Crime no Hotel Lisboa talvez sirva como acréscimo à experiência desta sequela mas não como requisito, pelo que não levanta barreiras a um novo público ao mesmo tempo que pretende semear a vontade de ir em busca do primeiro título.

Inspector Zé e o Robot Palhaço em: O Assassino do Intercidades apresenta-se como um jogo de aventura point and click, na linha de séries como Monkey Island e Broken Sword. Um género praticamente extinto, não fossem os sucessos ocasionais como Machinarium, Deponia, Broken Age e as remasterizações dos clássicos como Grim Fandango e Full Throttle, é uma experiência que tradicionalmente aposta em puzzles que obrigam o jogador a pensar de forma mais flexível e menos convencional – quem jogou as séries Broken Sword e Monkey Island lembrar-se-á da minhoca da garrafa de tequila e das canecas de grogue.

Mas mesmo dentro do género, Inspector Zé e o Robot Palhaço consegue escapar à fórmula tradicional e afirmar a sua. O jogador, no papel de Inspector Zé, colecciona objectos que lhe permitem interagir com outras personagens e assim recolher pistas e provas para interrogar os suspeitos. Quando esta opção passa a estar disponível, o jogador pode escolher entre as duas personagens titulares para conduzir o interrogatório numa sequência de três rondas de três perguntas conjugadas com provas recolhidas. É um sistema que combina com a temática e nos dá acesso a duas abordagens distintas, mas que impõe uma simplicidade contraditória ao género, em boa parte porque as perguntas correctas são fáceis de identificar e por não haver qualquer castigo ao falhar o interrogatório como acontece em L.A. Noire, por exemplo.

HÁ MINIJOGOS E “SAIDEQUESTES”,
OBJECTOS PARA COLECCIONAR
E EASTER EGGS

Outro aspecto que a nerd monkeys procura vincar em Inspector Zé e o Robot Palhaço é o “portuguesismo” do jogo, tanto no cenário retro dos anos 80 (?) com comboios e táxis e televisões CRT e telefones de fio, como no humor que recria um ambiente de teatro de revista. E enquanto é engraçado ver algumas referências à nossa infância (se não forem do novo milénio) e identificar caricaturas de alguns elementos de cultura popular portuguesa, sinto que o humor procura emular o exemplo errado. As piadas são propositadamente secas ou trocadilhos brejeiros mais ao jeito d’ Os Malucos do Riso do que do melhor que Herman José fez. Mesmo tendo em conta a subjectividade do humor, Inspector Zé e o Robot Palhaço tem poucas tiradas que nos provocam a gargalhada espontânea, e mesmo essa é curta, quando vem.

inspectorze_ge
Dos táxis alfacinhas, aos azulejos da estação de comboio e aos caixotes de lixo, o jogo recria com sucesso Portugal de outrora. Até o humor é de outros tempos.

Contido e simples, O Assassino do Intercidades sente-se mais como um jogo de mobile do que propriamente um título de PC, talvez porque o contexto táctil dos tablets é o par perfeito para a mecânica de point and click nos dias que correm. Ainda assim, para quem cresceu com as grandes séries do género dos anos 90, os tempos dourados do mesmo, fica a faltar um humor mais sagaz e o nonsense mais afinado e menos corriqueiro. Acima de tudo, sente-se a falta das mecânicas que nos garantam uma sensação de agência no decorrer do jogo. Como está, Inspector Zé e Robot Palhaço em: O Assassino do Intercidades poderá ser uma boa distracção para alguns, mas certamente não para todos.

Nota 6
A escala utilizada é de 1 a 10

Duarte Pedreño Ver todos

Adepto de indies, fã antigo da série Total War, e tenho uma relação especial com os jogos de Fumito Ueda. Não sou muito esquisito, gosto de desporto, acção, aventura, RPG... Só dispenso terror e jogos de corrida, a não ser que seja o Crash Team Racing.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: