10 jogos da PS2 que merecem estar na PS4

Agora que sabemos e compreendemos que a emulação de jogos PS2 veio para ficar, podemos finalmente parar de lutar contra a Sony e admitir que queremos e que necessitamos de gastar dinheiro em títulos que comprámos há dez anos atrás. Não existe aqui vergonha, todos nós estamos no mesmo barco. E sim, nós sabemos que os preços são maus, mas a nostalgia é uma amante terrível que nos faz pagar sempre a conta do restaurante – restaurante esse que não tivemos a oportunidade de escolher.

Se é inevitável, acredito que devemos aproveitar esta nova funcionalidade ao máximo. E já que estamos a pagar para a ter, vamos deleitar-nos com as nossas maiores fantasias e segredos que guardámos durante anos e anos.

Para deleite da equipa do Glitch, decidi viajar no tempo e relembrar-me dos jogos mais desconhecidos ou raros do catálogo da PS2. Isto significa que esta lista terá muitos RPGs e outros casos de nostalgia aguda. Fica aqui o aviso.

Wild Arms – Alter Code: F

Se existisse um prémio para pior título de sempre, esta entrada na série Wild Arms continuaria a ficar em primeiro lugar. Se nos afastarmos desta triste escolha e da sua falta de imaginação, vamos encontrar o remake do primeiro título da série RPG que deliciou os jogadores da clássica PlayStation com uma das suas primeiras aventuras. Apesar dos rumores apontarem para o lançamento de Wild Arms 3, a minha escolha recai no único título que não consegui jogar. A sua aposta num ambiente western continua a ser inovadora e agora mais necessária que nunca.

Shadow Hearts

Estamos na segunda entrada da minha lista e já contamos com dois RPG – e algo me diz que as coisas não vão melhorar. Mas Shadow Hearts é diferente, é uma série que vai para além dos típicos clichés do género com um sistema de combate envolvente e verdadeiramente empolgante, um mundo inovador (inspirando-se em acontecimentos históricos, como a Primeira Guerra Mundial) e uma aventura gótica e misteriosa repleta de humor negro. Já não se fazem jogos como Shadow Hearts e a sua sequela direta, e é por causa disso que precisamos da sua reedição na PS4.

Onimusha: Warlords

O fado da série Onimusha continua a levantar-me muitas questões filosóficas e a dar-me dores de cabeças que vão para lá da minha compreensão. Se calhar a Capcom funciona num espectro da inteligência totalmente diferente do meu, mas por mais que pense, não consigo compreender o desaparecimento prematuro desta série. Mesmo com o sucesso das remasterizações de Resident Evil Remake e Zero, a companhia japonesa continua resistente à ideia do regresso de Samanosuke e companhia – mas nós ajudamos. Basta começarem pelo primeiro jogo – um clássico absoluto – e analisarem as vendas. Sou obrigado a sentir-me enganado e surpreendido quando a Capcom parece querer recusar um plano totalmente viável para explorar os seus fãs – onde está a verdadeira Capcom?!

Project Zero II: Crimson Butterfly

Numa época em que os jogadores quase imploram por novos jogos de terror, a Sony poderia ganhar uma enorme vantagem ao apostar novamente na série Project Zero (Fatal Frame nos Estados Unidos da América). Se tivermos em conta a exclusividade do quarto e quinto título da série nas consolas da Nintendo, torna-se ainda mais evidente que existe aqui um espaço por explorar. Mas se formos para além das estratégias de marketing, deparamo-nos com um dos melhores jogos de terror da última década; um jogo perfeitamente construído, assustador e com um ritmo trabalhado para nos dar um ambiente claustrofóbico  e intenso. Apesar de jogado o segundo título da série há inúmeros anos atrás, continua a ser um dos títulos que mais me assustou durante a minha vida como jogador.

Klonoa 2: Lunatea’s Veil

Olá, eu sou o João Canelo e tenho de admitir que Klonoa: Door to Phantomile é um dos meus jogos favoritos de sempre – e reforço o “sempre”. Não é, portanto, de estranhar que eu preciso que a sua sequela regresse à na minha vida e rapidamente. Apesar de não ser tão coeso como o clássico da PlayStation, Lunatea’s Veil mantém a jogabilidade 2.5D que popularizou Klonoa junto dos fãs de plataformas e dá-nos uma campanha com mais variedade e um nível de dificuldade acentuado. A passagem para o estilo cel-shaded deu ao mundo de Klonoa uma personalidade inconfundível e a sua emulação na PS4 poderia despertar a atenção de jogadores que nunca tiveram acesso às suas aventuras, agora extremamente raras para as consolas originais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.